O modesto

French

Le modeste

Les pays, c'est pas ça qui manque
On vient au monde à Salamanque,
Paris, Bordeaux, Lille, Brest(e)
Lui la nativité le prit
Du coté des Saintes Maries,
C'est un modeste.

Comme jadis a fait un roi
Il serait bien fichu, je crois
De donner le trône et le reste
Contre un seul cheval camarguais
Bancal, vieux, borgne, fatigué,
C'est un modeste.

Suivi de son pin parasol
S'il fuit sans même toucher le sol
Le moindre effort comme la peste,
C'est qu'au chantier ses bras d'Hercule
Rendraient les autres ridicules,
C'est un modeste.

A la pétanque quand il perd,
Te fais pas de souci, pépère
Si d'aventure il te conteste,
S'il te boude, s'il te rudoie
Au fond, il est content pour toi,
C'est un modeste.

Si, quand un emmerdeur le met
En rogne, on ne le voit jamais
Lever sur l'homme une main leste
C'est qu'il juge pas nécessaire
D'humilier un adversaire,
C'est un modeste.

Et quand il tombe amoureux fou,
Y a pas de danger qu'il l'avoue
Les effusions, dame, il déteste
Selon lui mettre en plein soleil
Son cœur ou son cul c'est pareil,
C'est un modeste.

Quand on enterre un imbécile
De ses amis s'il raille, s'il
A l'œil sec et ne manifeste
Aucun chagrin, t'y fie pas trop
Sur la patate il en a gros,
C'est un modeste.

Et s'il te traite d'étranger,
Que tu sois de Naples, d'Angers
Ou d'ailleurs, remets pas la veste
Lui quand il t'adopte, pardi!
Il veut pas que ce soit dit,
C'est un modeste.

Si tu n'as pas tout du grimaud
Si tu sais lire entre les mots
Entre les faits, entre les gestes,
Lors, tu verras clair dans son jeu,
Et que ce bel avantageux,
C'est un modeste.

Try to align
Portuguese

O modesto

Para nascer, lugar não falta
Há quem o faça em Roma, Ialta,
Paracatu ou Budapeste.
Seu nascimento o apanhou
Ao pé do Cristo Redentor,
Ele é modesto.

Como uma vez o fez um rei,
Ele é capaz também, eu sei,
De dar seu reino e todo o resto
Por um cavalo marchador,
Um pangaré sem mais valor,
Ele é modesto.

Com os seus óculos escuros,
Se escapa sempre de dar duro
Como quem foge de uma peste,
É que seu tão hercúleo braço
Traria aos outros embaraço,
Ele é modesto.

Quando ele perde na canastra,
Não te surpreendas se te afasta
Ou, porventura, ele protesta.
Embora xingue um nunca vi,
No fundo, está feliz por ti,
Ele é modesto.

Quando um provocador o faz
Perder a calma, ele jamais
Agredirá o cabra-da-peste.
Para ele, nunca é necessário
Humilhar tanto um adversário.
Ele é modesto.

Quando de um grande amor padece,
Não vás contando que o confesse,
A indiscrição, ele a detesta.
Para ele, é a mesma barafunda
Abrir a alma ou expor a bunda,
Ele é modesto.

Se, no enterro de um cretino
Amigo seu, sem desatino,
Ele, a sorrir, não manifesta
Nenhuma dor, não fiques puto,
No coração, está de luto,
Ele é modesto.

Se ele te trata de alemão
Quer tu venhas de Viamão
Ou Mossoró, não caias nesta.
Quando ele chama alguém de amigo,
Não quer saber se é novo ou antigo,
Ele é modesto.

Se tu não és mais criancinha,
Se sabes ler na entrelinha,
Ou entre os feitos, entre os gestos,
Verás que o cara não te enrola
E que no fundo esse gabola
É um modesto.

Submitted by Alvaro Almeida de Britto on Sun, 08/04/2012 - 15:07
Author's comments:

In the original, the author talks, in an ironical tone, about himself. This translation, I have tried to transplant his geografic and cultural references to mine.

0
Your rating: None
More translations of "Le modeste"
French → Portuguese - Alvaro Almeida de Britto
0
Comments