Nas junções da minha grade (En las cruces de mi reja)

Spagnolo

En las cruces de mi reja

En las cruces de mi reja
tengo un rosal y un clavel
florecío con el llanto
de los ojos de un marqués.
 
Cada vez que me decía:
- Esta corona es pa' ti,
como soy gitana pura,
como soy gitana pura
me jartaba de reír.
 
Como una limosna
le entregué unas flores;
le dije: - No vuelvas
a hablarme de amores.
Si tienes corona
de conde o marqués,
la mía es de reina
del reino calé,
la mía es de reina
del reino calé.
 
Y al pie de de la ventana,
yo le escuché decir
al ramo de claveles
y rosas que le di:
 
- No quiero gente a mi vera;
dejadme, flores, dejadme,
que aquel que tiene un pena,
que aquel que tiene un pena,
ay, no se la divierte nadie.
 
~ ~ ~
 
Me llevaron a una boda
para el baile y la canción,
y en un cante se me fueron
las alas del corazón.
 
En la frente de la novia,
mi corona de marqués;
como soy gitana pura,
como soy gitana pura
no me pude contener:
 
- Presume serrana,
que yo la he tenío
al pie de mi reja
y no la he querío.
Si tienes corona
de conde o marqués,
la mía es de reina
del reino calé,
la mía es de reina
del reino calé.
 
Las rosas y claveles
al verme de sufrir
se dicen por lo bajo:
“ay ay ay
¿qué tiene esta gachí?”
 
- No quiero gente a mi vera,
dejadme, flores dejadme,
que aquel que tiene un pena,
que aquel que tiene un pena,
ay, no se la divierte nadie.
 
Postato da Valeriu Raut Gio, 16/06/2016 - 12:55
Ultima modifica Valeriu Raut Sab, 02/07/2016 - 11:40
Commenti dell’autore:

Quintero y Mostazo son los autores de esta copla en el dialecto andaluz.

videoem: 
Allinea i paragrafi
traduzione in Portoghese

Nas junções da minha grade

Nas junções da minha grade
Há uma roseira e um craveiro
Que floriram com o pranto
Dos olhos dum marquês.
 
Cada vez que ele dizia:
- Este coronel é para ti,
Dado que sou cigana pura,
Dado que sou cigana pura
Fartava-me de rir.
 
Como uma esmola
Dei-lhe umas flores
E lhe disse: Já nunca mais
Me fales de amores.
Se tu tens um coronel
De conde ou marquês
Eu tenho a coroa de rainha
Do reino cigano!
Eu tenho a coroa de rainha
Do reino cigano!
 
E, ao pé da janela,
Eu escutei que ele disse
Ao ramalhete de cravos
E rosas que lhe dei:
 
- Não quero nenhum ao meu rente;
Deixai-me flores, deixai-me!
Porque aquele que tem uma coita
Porque aquele que tem uma coita
Ai! Ninguém pode tirâ-la dele!
 
~~~
 
Levaram-me para um casamento
A dançar e cantar
E, num só cante, esmoreceram
As asas do meu coração.
 
Na testa da noiva
Meu coronel de marquês;
Dado que sou cigana pura,
Dado que sou cigana pura
Não pude me comedir:
 
- Gaba-te dele, rapariga
Porque eu já tive-o
No pé da minha grade
E mália disso, enjeitei-o.
Se tu tens um coronel
De conde ou marquês
Eu tenho a coroa de rainha
Do reino cigano!
Eu tenho a coroa de rainha
Do reino cigano!
 
As rosas e os cravos
Quando viram minha mágoa
Ciciaram uns com os outros:
"Ai, ai, ai!
O que tem esta cigana?"
 
- Não quero nenhum ao meu rente;
Deixai-me flores, deixai-me!
Porque aquele que tem uma coita
Porque aquele que tem uma coita
Ai! Ninguém pode tirâ-la dele!
 
Postato da Metodius Ven, 04/08/2017 - 22:15
Ultima modifica Metodius Sab, 05/08/2017 - 22:16
Altre traduzioni di “En las cruces de mi reja”
Spagnolo → Portoghese - Metodius
Commenti fatti