Fernando Pessoa - Ogdr43 – Antes o voo da ave, que passa e não deixa rasto (traduzione in Ungherese)

Portoghese

Ogdr43 – Antes o voo da ave, que passa e não deixa rasto

Antes o voo da ave, que passa e não deixa rasto,
Que a passagem do animal, que fica lembrada no chão.
A ave passa e esquece, e assim deve ser.
O animal, onde já não está e por isso de nada serve,
Mostra que já esteve, o que não serve para nada.
 
A recordação é uma traição à Natureza.
Porque a Natureza de ontem não é Natureza.
O que foi não é nada, e lembrar é não ver.
 
Passa, ave, passa, e ensina-me a passar!
 
Postato da Guernes Gio, 15/10/2015 - 18:38
Ultima modifica Guernes Lun, 02/11/2015 - 12:24
Commenti dell’autore:

7-5-1914
.
“O Guardador de Rebanhos”. In Poemas de Alberto Caeiro. Fernando Pessoa. (Nota explicativa e notas de João Gaspar Simões e Luiz de Montalvor.) Lisboa: Ática, 1946 (10ª ed. 1993).
.
- 66.
.
“O Guardador de Rebanhos”. 1ª publ. in Athena, nº 4. Lisboa: Jan. 1925.

Allinea i paragrafi
traduzione in Ungherese

Inkább röptét a madárnak, mely szálltában nem hagy nyomot...

Inkább röptét a madárnak, mely szálltában nem hagy nyomot,
Mint az állatok csapát vájó járását, mely emlékeztetõ marad.
A madár tovaszáll a feledésbe, ez így rendjén való.
Az állat, amely volt, de már nincs, s így végtére haszontalan,
És a nyoma csak arra emlékeztet, hogy már nem jó semmire.
 
Az emlékezés árulás a Természet ellen.
Mert a tegnapi Természet nem az a Természet.
Ami elmúlt, az semmi, s aki emlékszik rá, nem lát.
 
Röpülj madár, röpülj s taníts meg szállani engem!
 
Postato da Guernes Sab, 07/10/2017 - 12:32
Commenti dell’autore:

Döbrentei Kornél fordítása

Altre traduzioni di “Ogdr43 – Antes o voo da ave, que passa e não deixa rasto”
UnghereseGuernes
Fernando Pessoa: 3 più popolari
See also
Commenti fatti