Marie de France - Lai du Chievrefoil (Portuguese translation)

French (Old French)

Lai du Chievrefoil

. c. Asez me plest e bien le voil
Del lai que hum nume Chievrefoil
Que la verité vus en cunt
E pur quei il fu fet e dunt.
 
. nc. Plusurs le me unt cunté e dit
E jeo l'ai trové en escrit
De Tristram e de la reïne,
De lur amur que tant fu fine,
Dunt il eurent meinte dolur,
Puis en mururent en un jur.
. c. Li reis Marks esteit curucié,
Vers Tristram sun nevuz irié;
De sa tere le cungea
Pur la reïne qu'il ama.
En sa cuntree en est alez;
En Suhtwales, u il fu nez,
Un an demurat tut entier,
Ne t ariere repeirier;
. nc. Mes puis se mist en abandun
De mort e de destructïun.
Ne vus esmerveilliez neent:
Kar ki eime mut lëalment,
Mut est dolenz e trespensez,
Quant il nen ad ses volentez.
. c. Tristram est dolent e pensis:
Pur ceo se met de sun païs.
En Cornvaille vait tut dreit,
La u la reïne maneit.
En la forest tut sul se mist,
Ne voleit pas que hum le veïst;
. nc. En la vespree s'en eisseit,
Quant tens de herberger esteit;
. c. Od païsanz, od povre gent
Perneit la nuit herbergement.
. nc. Les noveles lur enquereit
Del rei cum il se cunteneit.
. c. Ceo li dïent qu'il unt oï
Que li barun erent bani,
A Tintagel deivent venir,
Li reis i veolt sa curt tenir,
. nc. A pentecuste i serunt tuit;
Mut i avra joie e deduit,
E la reïnë i sera.
Tristram l'oï, mut se haita:
Ele ne purrat mie aler
K'il ne la veie trespasser.
. c. Le jur que li rei fu meüz,
E Tristram est al bois venuz
Sur le chemin quë il saveit
Que la rute passer deveit,
Une codre trencha par mi,
Tute quarreie la fendi.
Quant il ad paré le bastun,
De sun cutel escrit sun nun.
Se la reïne s'aparceit,
Que mut grant gardë en perneit-
. nc. Autre feiz li fu avenu
Que si l'aveit aparceü-
. c. De sun ami bien conustra
Le bastun quant el le verra.
Ceo fu la summe de l'escrit
Qu'il li aveit mandé e dit:
. nc. Que lunges ot ilec esté
E atendu e surjurné
Pur espïer e pur saver
Coment il la peüst veer,
Kar ne pot nent vivre sanz li;
D'euls deus fu il (tut) autresi
. c. Cume del chievrefoil esteit
Ki a la codre se perneit:
Quant il s'i est laciez e pris
E tut entur le fust s'est mis,
. nc. Ensemble poënt bien durer;
Mes ki puis les volt desevrer,
Li codres muert hastivement
E li chievrefoil ensement.
. c. «bele amie, si est de nus:
Ne vus sanz mei, ne mei sanz vus!»
La reïne vait chevachant;
Ele esgardat tut un pendant,
Le bastun vit, bien l'aparceut,
Tutes les lettres i conut.
. nc. Les chevalers que la menoënt,
Quë ensemblë od li erroënt,
Cumanda tuz (a) arester:
Descendre vot e resposer.
Cil unt fait sun commandement.
Ele s'en vet luinz de sa gent;
Sa meschine apelat a sei,
Brenguein, que fu de bone fei.
. c. Del chemin un poi s'esluina;
Dedenz le bois celui trova
Que plus l'amot que rein vivant.
Entre eus meinent joie (mut) grant.
. nc. A li parlat tut a leisir,
E ele li dit sun pleisir;
Puis li mustre cumfaitement
Del rei avrat acordement,
E que mut li aveit pesé
De ceo qu'il (l)'ot si cungïé;
Par encusement l'aveit fait.
Atant s'en part, sun ami lait;
. c. Mes quant ceo vient al desevrer,
Dunc comenc(er)ent a plurer.
Tristram a Wales s'en rala,
Tant que sis uncles le manda.
 
Pur la joie qu'il ot eüe
De s'amie qu'il ot veüe
. nc. E pur ceo k'il aveit escrit,
Si cum la reïne l'ot dit,
Pur les paroles remembrer,
. c. Tristram, ki bien saveit harper,
En aveit fet un nuvel lai;
. nc. Asez briefment le numerai:
. c. Gotelef l'apelent en engleis,
Chievrefoil le nument Franceis.
Dit vus en ai la verité
Del lai que j'ai ici cunté.
 
Submitted by Guernes on Sat, 24/02/2018 - 14:32
Submitter's comments:

. nc. non chanté
. c. chanté

Align paragraphs
Portuguese translation

A Madressilva

Muito me agrada e bem o quero,
de um lai que se chama Madressilva
dizer-vos a verdadeira história,
e por quem foi feito, como e de onde veio.
 
Muitos me contaram,
e eu mesma encontrei-a já escrita,
a história de Tristão e da rainha,
do seu amor que foi tão fino,
que para eles foi a causa de tanto sofrimento
e do qual morreram no mesmo dia.
O rei Marc estava cheio de raiva
e de indignação contra Tristão, seu sobrinho.
De sua terra ele o baniu,
por causa do seu amor pela rainha.
Tristão foi para a sua terra,
o sul do País de Gales, onde havia nascido.
Lá permaneceu por todo um ano,
e não podia regressar;
logo abandonou-se
à morte e à destruição.
Não vos espanteis,
pois quem ama lealmente
entrega-se à dor e à ansiedade
quando não satisfaz seus desejos.
Tristão está sombrio e pensativo,
por isso parte da sua terra.
Para a Cornualha vai sem desvio,
lá onde está a rainha.
Esconde-se solitário na floresta,
não quer que ninguém o veja.
À hora de vésperas, sai,
Quando tem de buscar abrigo.
Sob o teto de camponeses, de pobres gentes,
passa a noite albergado;
pede-lhes novas do rei,
de seus feitos e gestos.
Dizem-lhe o que ouviram,
que os barões foram convocados pelo rei,
e devem apresentar-se em Tintagel:
o rei Artur quer sua corte reunida;
no dia de Pentecostes, todos lá estarão,
haverá muita alegria e divertimento,
e a rainha lá estará.
Tristão, ao ouvir essas novas, muito se
alegrou:
a rainha não poderá para lá ir
sem que ele a veja passar.
No dia em que o rei parte,
Tristão sai do bosque.
No caminho por onde ele sabia
que o cortejo passaria,
parte ao meio um galho de avelaneira
e talha o ramo para desbastá-lo.
Depois de preparar o ramo,
com sua faca nele grava seu nome.
Se o notar a rainha,
que sempre cuida com atenção nesses sinais
outras vezes já lhe acontecera
de atentar neles ,
de seu amigo reconhecerá
o ramo, quando o vir.
E o que a mensagem
que ele lhe enviava dizia,
era que por muito tempo esteve ali,
e esperou e passou os dias,
para espiar e para saber
como poderia vê-la,
pois sem ela não podia viver.
Ambos eram dois
tal qual a madressilva
que se enlaça à avelaneira:
quando estão enleadas e presas,
e todo o caule de uma envolvido pela outra,
unidas podem por longo tempo viver;
mas se há quem as queira apartar,
a avelaneira morre em pouco tempo,
e a madressilva também.
"Bela amiga, assim somos nós:
nem vós sem mim, nem eu sem vós."
A rainha vem cavalgando.
Ela observa atentamente o caminho à sua frente,
vê o ramo, percebe-o claramente,
distingue-lhe todas as letras.
Aos cavaleiros que a conduzem
e que caminham junto a ela,
ordena-lhes a todos que parem:
quer descer e descansar.
Eles obedecem-na.
Ela afasta-se de sua gente;
Chama a si sua donzela,
Brangien, que lhe é muito devotada.
Do caminho afasta-se um pouco,
e dentro do bosque encontra
aquele que ama mais que tudo na vida:
entre eles grande é a alegria.
Ela a ele fala à vontade,
e ele a ela diz do seu prazer;
depois ela lhe mostra como
se reconciliar com o rei,
e quão grande foi seu pesar
quando ele o expulsou,
e por causa da acusação que fez.
Então ela parte, deixa seu amigo.
Mas quando devem apartar-se,
logo começam a chorar.
Tristão retorna para Gales
enquanto seu tio não o chama.
 
Para dizer da alegria que teve
em rever sua amiga,
e para lembrar, do que escreveu,
as palavras tais,
quais disse à rainha,
Tristão, que bem sabia tocar harpa,
fez um novo lai.
Nomeá-lo-ei em uma palavra:
Gotelefchamam-no os ingleses,
Chievrefoil nomeiam-no os franceses.
Disse-vos a verdadeira história
do lai que aqui vos contei.
 
Tradução - Orlando Nunes de Amorim
 
Tous droits réservés © Christian Guernes (pour les traductions en français, sauf indication contraire ; lien vers le source, etc.)
Submitted by Guernes on Sat, 24/02/2018 - 16:38
Author's comments:

Tradução - Orlando Nunes de Amorim

More translations of "Lai du Chievrefoil"
PortugueseGuernes
See also
Comments