Nuno Rocha Morais - Retrato (Italian translation)

Portuguese

Retrato

Nuno Morais é um projecto
No bico partido de um lápis
Quando já ninguém pega num lápis.
Nuno Morais é uma farpa feroz
Na pele de alguém que se chama Nuno Morais.
Nuno Morais é a náusea de alguém
que se chama, coitado, Nuno Morais,
E como a náusea está na moda, e é tão moderna.
Desde pequeno, Nuno Morais acalenta o sonho
De ser uma fruteira como havia numa sala da sua infância,
Pela apurada calma dos frutos no seu regaço,
Mas, estando o intento em vias de se gorar -
A sua alma de aviário parece-lhe
Uma mesa de vidro, baça de tantos riscos -,
Nuno Morais pretende ser um quadrado
Porque ouviu qualquer coisa de Aristóteles
sobre a bondade dos quadrados.
Nuno Morais é inverosimilmente indigesto,
Mas será comido hoje, como de resto foi ontem,
Pelo corpo de um tal Nuno Morais.
Os ossos de Nuno Morais não servirão sequer de aviso,
Nem de semente, nem de matéria
Para qualquer outra estrutura atómica.
Com sorte, a mentira de que é
A carcaça fétida e simpática
Teria o privilégio de ser as fezes dos abutres
Pouco exigentes, não se desse o facto
De até para eles ser indigesto
E, de qualquer modo, é tão difícil encontrá-los,
E mais difícil ainda é encontrar um bom abutre.
Nuno Morais tem a pretensão de ser
A primeira coisa na Natureza que se perde,
O que mostra bem a sua soberba.
Se também nisto falhar, Nuno Morais
Gostará mais de pensar que foi apenas um boato.
 
Submitted by Manuela Colombo on Mon, 19/02/2018 - 16:59
Align paragraphs
Italian translation

Ritratto

Nuno Morais è un progetto
Sulla punta spezzata di una matita
Quando ormai più nessuno usa la matita.
Nuno Morais è una scheggia crudele
Nella pelle di qualcuno che si chiama Nuno Morais.
Nuno Morais è la nausea di qualcuno
Che si chiama, poveretto, Nuno Morais,
E come la nausea è alla moda, ed è così moderna.
Fin da piccolo, Nuno Morais accarezza il sogno
D’essere un portafrutta come quello che c’era in una sala della sua infanzia,
Per la garbata calma dei frutti nel suo grembo,
Ma, dal momento che quest’obiettivo sta per essere frustrato -
Il suo spirito d’apicultore gli sembra
Un tavolo di vetro, opaco per troppi graffi -,
Nuno Morais aspira ad essere un quadrato
Perché ha sentito dire di qualcosa detto da Aristotele
A proposito della bontà dei quadrati.
Nuno Morais è inverosimilmente indigesto,
Ma oggi sarà mangiato, come del resto lo fu ieri,
Dal corpo di un certo Nuno Morais.
Le ossa di Nuno Morais non serviranno neppure da segnale,
Né da semente, né da materia
Per qualunque altra struttura atomica.
Con un po’ di fortuna, la menzogna di cui lui è
La carcassa fetida e simpatica
Potrebbe avere il privilegio d’essere le feci di avvoltoi
Poco esigenti, se non fosse che
Persino per loro sarebbe indigesto
E, comunque, è molto difficile incontrarli,
E ancor più difficile è incontrare un avvoltoio buono.
Nuno Morais ha la pretesa d’essere
La prima cosa in Natura che si perde,
Il che evidenzia bene la sua superbia.
Se anche in questo si fosse sbagliato, Nuno Morais
Preferirà pensare d’esser stato soltanto una diceria.
 
Submitted by Manuela Colombo on Mon, 19/02/2018 - 17:02
Author's comments:

Traduzione fatta da Manuela Colombo. Chi volesse riutilizzarla, è pregato di chiederne prima l’autorizzazione e di citare sempre il mio nome come autore.
Tradução feita por Manuela Colombo. Caso você queira reutilizá-la, por favor peça por permissão antes e sempre cite meu nome como o do autor.

More translations of "Retrato"
See also
Comments