Prologue: Into the Woods (traduzione in Portoghese)

Advertisements
traduzione in Portoghese

Prólogo: Para a Floresta

[Narrador:]
Era uma vez,
Em um reino distante,
Onde havia uma pequena vila
Nos limites da floreta
[Cinderela:]
Eu desejo…
[Narrador:]
E, nessa vila,
[Cinderela:]
Mais do que tudo…
[Narrador:]
vivia uma jovem solteira,
[Cinderela:]
Mais do que a vida…
Mais do que joias…
[Narrador:]
um jovem e despreocupado rapaz
[Jack:]
Eu desejo…
Mais do que a vida…
[Narrador:]
E um padeiro sem filhos…
[Padeiro & Esposa do padeiro:]
Eu desejo…
[Narrador:]
com sua esposa.
[Padeiro:]
Mais do que qualquer coisa…
[Esposa do padeiro:]
Mais do que a lua…
[Padeiro & Esposa do padeiro:]
Eu desejo…
[Cinderela:]
O Rei vai realizar um festival!
[Padeiro & Esposa do padeiro:]
Mais do que a vida…
[Jack:]
Eu desejo…
[Cinderela:]
Eu desejo ir ao festival.
[Padeiro & Esposa do padeiro:]
Mais do que os ricos…
[Cinderela:]
e o baile…
[Jack:]
Gostaria que minha vaca
nos desse um pouco de leite.
[Cinderela & Esposa do padeiro:]
Mais do que qualquer coisa…
[Padeiro:]
Eu gostaria que tivéssemos um filho
[Jack:]
Por favor, meu amigo –
[Esposa do padeiro:]
Eu quero um filho…
[Jack:]
Aperte, colega…
[Cinderela:]
Eu desejo ir ao festival.
[Jack:]
Eu gostaria que você nos desse um pouco
de leite ou até mesmo de queijo…
Eu desejo…
[Padeiro & Esposa do padeiro:]
Eu gostaria que talvez tivéssemos um filho.
Eu desejo…
 
[Madrasta:]
Você deseja ir ao festival?
[Narrador:]
Os pais da pobre garota haviam morrido,
[Madrasta:]
Você, Cinderela, no festival?
Você deseja ir ao festival?
[Florinda:]
O quê, você, Cinderela, no festival?
No festival?
[Lucinda:]
O quê, você deseja ir ao festival?
[Todas as três:]
No festival?
No festival do Rei?
[Narrador:]
E agora ela vivia com a sua madrasta
[Madrasta:]
O festival… RÁ!
[Narrador:]
que já tinha duas filhas dela mesmo.
[Florinda:]
Olhe para as suas unhas!
[Lucinda:]
Olhe para o seu vestido!
[Madrasta:]
As pessoas ririam de você
[Cinderela:]
Ainda assim,
quero ir ao festival
e dançar na frente do Príncipe.
[Madrasta & Meias-irmãs:]
Ha, ha, ha, ha, ha, ha, ha, ha…
[Narrador:]
Todas as três tinham lindos rostos, mas vis e obscuros corações.
 
[Narrador:]
O jovem rapaz não tinha pai e sua mãe –
[Mãe de Jack:]
Eu desejo…
[Narrador:]
Bem, ela estava em um beco sem saída
[Mãe de Jack:]
Eu gostaria que meu filho não fosse um tolo.
Eu gostaria que minha casa não estivesse uma bagunça.
Eu gostaria que a vaca estivesse cheia de leite.
Eu gostaria que as paredes estivessem abarrotadas de ouro –
Eu desejo muitas coisas…
O que em nome de Deus você está fazendo
com a vaca dentro de casa?
[Jack:]
Eu pensei que se ele estivesse quentinho,
ele produziria um pouco de leite
[Mãe de Jack:]
É ela
Quantas vezes vou ter que falar pra você que
elas produzem leite?
 
[Narrador:]
E também tem uma garotinha faminta
que sempre usava um capuz vermelho
[Chapeuzinho Vermelho:]
Eu desejo…
Não é pra mim,
é pra minha avó na floresta.
Um pedaço de pão, por favor,
para eu levar à minha pobre faminta
vovozinha na floresta…
Só um pedaço de pão, por favor…
 
[Madrasta:]
Cinderela, se você limpar essas lentilhas,
e terminar seus afazeres a tempo,
então poderá ir ao baile conosco.
Venham, garotas…
[Meias-irmãs:]
Sim, mãe.
Boa sorte.
 
[Cinderela:]
Venham, passarinhos,
dos beirais dos telhados
e das folhas,
dos campos
dos castelos e lagoas…
[Jack:]
Agora, aperte, colega…
[Cinderela:]
Ahh…
Rápido, passarinhos
Deem um jeito na poeira.
Biquem e piquem, mas vão depressa
Procure por poeiras,
dentro da panela…
 
[Mãe de Jack:]
Agora me escute bem, filho.
A Milky-White vai ter que ser levada ao mercado.
[Jack:]
Mas, mãe, não! Ele é a melhor vaca do mundo…
[Mãe de Jack:]
Era –
ELA já está seca há semanas
sem comida nem dinheiro,
não temos escolha senão vendê-la.
[Jack:]
Mas, Milky-White é meu melhor amigo
[Mãe de Jack:]
Olhe para ela…
Tem insetos nas tetas dela.
Tem moscas nos olhos dela.
Tem um caroço nas costas dela
grande o bastante para ser uma corcova
[Jack:]
Mas –
[Mãe de Jack:]
Não temos tempo de sentar e hesitar,
Enquanto seu dorso definha junto com ela
E ninguém tem uma vaca como amiga!
Às vezes eu me pergunto o que passa nessa sua cabeça.
 
[Chapeuzinho Vermelho:]
Para a floresta
É hora de ir
Odeio partir
Mas tenho que ir
Para a floresta,
Está na hora e então
preciso começar minha jornada.
Para a floresta
e pelas árvores
Para onde sou
uma moça esperada,
para a floresta
para a casa da Vovó –
Para a floresta
para a casa da Vovó –
[Esposa do padeiro:]
Agora você está certa do seu caminho?
[Chapeuzinho Vermelho:]
O caminho é claro,
A luz é boa,
Não tenho medo,
Nem ninguém deveria ter
A floresta é só árvores
As árvores são só madeira.
Eu meio que detesto perguntar,
Mas você tem uma cesta?
[Esposa do padeiro:]
Sim, nós temos.
[Padeiro:]
Não imagino que você esteja planejando comprar uma dessas…
[Esposa do padeiro:]
Oh, shh…
Agora, não desvie do caminho nem se atrase, certo?
[Padeiro:]
Você guardaria alguns desses para a Vovó?
Ai, meu…
[Esposa do padeiro:]
Só vai embora…
[Padeiro:]
Ela é uma ladra!
[Chapeuzinho Vermelho:]
Para a floresta
E vale abaixo
O caminho vai direto,
Eu o conheço direito.
Para a floresta
E quem diria
O que aguarda na jornada?
Para a floresta
Levar algum pão
Para a Vovó que
Está doente, de cama.
Nunca dá pra dizer
O que espera à frente.
Por tudo o que sei,
Ela já está morta.
Mas para a floresta,
Para a floresta,
Para a floresta
Para a casa da Vovó
E para casa antes de escurecer.
 
[Florinda:]
Cinderela!
[Lucinda:]
Sobe aqui!
[Cinderela:]
Voem, pássaros,
de volta para o céu…
[Florinda:]
Estamos esperando!
[Cinderela:]
De volta aos beirais
E às folhas
E aos campos
E a…
[Florinda:]
Depressa e arrume o meu cabelo, Cinderela!
Você está mesmo usando isso?
[Lucinda:]
Aqui, achei um pequeno rasgo, Cinderela.
Você não pode escondê-lo com um chapéu?
[Cinderela:]
Você está linda.
[Florinda:]
Eu sei
[Lucinda:]
Ela se referia a mim.
[Florinda:]
Não, não você.
[Cinderela:]
Mamãe disse sejam boas,
Papai disse pra ser educada,
Esse é sempre o conselho deles.
Então seja educada, Cinderela,
Boa, Cinderela,
Educada, boa, boa, educada…
[Florinda:]
Mais apertado!
[Cinderela:]
O que tem de bom em ser boa
Se todos são cegos
Deixando você pra trás?
Não importa, Cinderela,
Gentil Cinderela
Educada, boa, educada, gentil, boa, educada –
[Florinda:]
AI! Não tão apertado!
Deus!
 
[Padeiro:]
Quem seria?
[Esposa do padeiro:]
Nós vendemos nosso último pão!
[Padeiro:]
É a bruxa da vizinha.
[Esposa do padeiro:]
Não temos pão…
[Bruxa:]
Não quero seu pão
[Padeiro:]
Então o que deseja?
[Bruxa:]
Não é o que eu desejo,
É o que vocês desejam
Não tem nada se preparando nessa barriga, não tem?
Nem nunca terá,
A menos que façam exatamente o que digo.
Ao fim de três dias uma lua azul vai aparecer,
Só então poderá a maldição ser desfeita…
[Esposa do padeiro:]
Que maldição?
[Bruxa:]
A que eu lancei sobre esta casa.
[Padeiro:]
Sobre o que você está falando?
[Bruxa:]
No passado, quando não passava de um bebê,
Seu pai trouxe sua jovem esposa
e você a essa cabana.
Eram um simpático casal,
Mas não simpáticos vizinhos.
Entende…
Sua mãe esperava uma criança,
E ela desenvolveu um apetite descomunal.
Ela admirava meu lindo jardim
E disse a seu pai que
O que ela queria mais do que qualquer coisa
no mundo era…
Verduras, verduras, nada além de verduras:
Salsinha, pimentas, repolhos e aipos,
Aspargos e agriões e
Fiddleheads1 e alface
Ele disse: “Tudo bem”
Mas não estava, não completamente,
Porque eu o peguei no outono
No meu jardim, uma noite!
Ele estava me roubando,
Violando-me,
Arrancando minha couve-nabo pela raiz,
Atacando minha rúcula e
Puxando a rampion2
Meu cogumelo! O meu preferido! –
Deveria ter lançado um feitiço nele
Bem ali,
Poderia tê-lo feito em pedra
Ou em cão…
Ou em uma cadeira…
Mas deixei ele pegar a rampion
Eu tinha muitas de sobra.
Em troca, no entanto,
Eu disse: “O combinado não sai caro:
Você me deixará ter o bebê
Que sua esposa vai carregar.
E chamamos isso de honesto”
[Padeiro:]
Eu tinha um irmão?
[Bruxa:]
Não, mas você tinha uma irmã.
[Padeiro:]
Onde ela está?
[Bruxa:]
Ela é minha agora!
E você nunca a encontrará
Um pequeno preço pelo que
Outrora seu pai me roubara
Custou-me a juventude, a beleza.
Minha mãe me avisava,
Ela me puniria
Com a maldição da feiura,
Se eu perdesse algum deles.
[Esposa do padeiro:]
Perdesse o quê?
[Bruxa:]
Os feijões…
[Padeiro & Esposa do padeiro:]
Feijões?
[Bruxa:]
Os feijões especiais
Eu o deixei partir, eu não sabia
que ele tinha roubado meus feijões.
Eu estava vendo ele rastejar,
de volta para o muro!
Então: bangue! Crash!
Um relâmpago de luz!
Bem, essa é uma outra história,
Não importa –
De qualquer forma, enfim
O grande dia chegou,
E fiz meu pedido.
“Oh, não leve a bebê!”
Eles guinchavam e berravam
Mas eu levei
E a escondi
Onde ela nunca será encontrada.
E seu pai chorou,
E sua mãe morreu.
Quando, por precaução,
Eu admito que foi um prazer
Eu disse: “Perdão,
Ainda não estou aliviada.”
E lancei um pequeno feitiço neles
Em você também, filho
Que a árvore da sua família
Sempre seja estéril…
[Padeiro:]
Como você pôde fazer isso?
[Bruxa:]
E quando sua mãe morreu,
seu pai abandonou você.
Seu pai não era um pai, então por que você seria?
Então chega de reclamar,
E de fazer cenas
E meu jardim prospera –
Você tinha que ver minhas nectarinas!
Mas vou dizer pra você o mesmo
que digo a reis e rainhas:
Nunca, jamais, em tempo algum,
Brinque com minhas verduras!
Sobretudo com os feijões.
 
[Jack:]
Tá, mas por que temos que ir até a próxima vila?
[Mãe de Jack:]
Porque todos nessa vila
sabem que a vaca não produz uma gota de leite há semanas.
[Jack:]
Isso é trapaça!
[Mãe de Jack:]
Estamos passando fome, Jack!
Você não entende?
Agora, você não está para aceitar menos do que cinco contos por ela.
Você está me ouvindo?
[Jack:]
Sim.
[Mãe de Jack:]
Quanto você deve pedir?
[Jack:]
Não mais do que cinco contos.
[Mãe de Jack:]
Menos do que cinco!
[Jack:]
Do que cinco!
[Mãe de Jack:]
Para a floresta,
A hora é agora,
Precisamos viver
Não me importa como.
Para a floresta vender a vaca,
Você tem que iniciar a jornada!
Direto para a floresta
e não se demore
Temos que dar por encarado
O mercado.
Para a floresta ao fim da jornada
[Jack:]
Para a floresta vender um amigo…
 
[Bruxa:]
Você deseja ter
a maldição desfeita?
Vou precisar de uma certa
poção primeiro.
Vá à floresta e me traga
Um: a vaca branca como leite;
Dois: o capuz vermelho como sangue;
Três: o cabelo amarelo como milho;
Quatro: o sapato puro como o ouro.
Traga-mos
Antes do badalar
Da meia-noite,
Em três dias.
É quando a lua azul reaparecerá.
A qual aparece uma vez a cada mil anos.
Só me os traga e
eu garanto,
uma criança tão perfeita
quanto uma criança pode ser.
Vá para a floresta!
 
[Madrasta:]
Moças,
Nossa carruagem aguarda.
[Cinderela:]
Agora eu posso ir ao festival?
[Madrasta:]
Ao festival?
Querida, essas unhas!
Querida, essas roupas!
Deu um jeito nas lentilhas mas
Querida, com essas,
Você nos faria passar por as tolas do festival
E envergonharia o Príncipe!
[Cinderela:]
O festival dura três noites
Com certeza, você poderia me deixar ir por uma delas
[Madrasta:]
O Rei está tentando arranjar uma esposa para o filho!
Não uma serviçal
Temos que ir!
Vá!
 
[Cinderela:]
Eu desejo…
[Esposa do padeiro:]
Feijões?
Esses devem ser os feijões da bruxa!
Nós os levaremos conosco.
[Padeiro:]
Nós?
[Esposa do padeiro:]
Sim!
[Padeiro:]
Nós?
Você não virá,
Não é seguro lá fora.
[Esposa do padeiro:]
Eu posso ajudar você!
[Padeiro:]
Não!
Eu posso me virar sozinho.
O feitiço está sobre a minha casa.
Somente eu posso reverter o feitiço,
O feitiço está sobre a minha casa.
[Esposa do padeiro:]
Não, não, o feitiço está sobre a nossa casa.
Temos que reverter o feitiço juntos,
O feitiço está sobre a nossa casa.
[Padeiro:]
Agora me diga com o que devo retornar?
[Esposa do padeiro:]
Hã… você não lembra?
A vaca branca como leite;
O capuz vermelho como sangue;
O cabelo amarelo como milho;
O sapato puro como o ouro
[Padeiro:]
A vaca branca como leite;
O capuz vermelho como sangue;
O cabelo amarelo como milho;
O sapato puro como o ouro
[Cinderela:]
Eu ainda desejo ir ao festival,
Mas quem sou eu para ir ao festival?
[Padeiro:]
A vaca branca como leite;
O capuz vermelho como sangue;
O cabelo amarelo como milho –
[Cinderela:]
Já sei!
Vou visitar o túmulo da minha Mãe,
O túmulo sob a aveleira,
E dizer a ela que eu quero
Ir ao festival do Rei…
[Padeiro:]
O sapato puro como o ouro…
A vaca; o capuz;
O sapato puro como o ouro –
[Esposa do padeiro:]
O cabelo!
[Cinderela & Padeiro:]
Para a floresta
É hora de ir
Pode ser tudo
Em vão, sabe/sei.
Para a floresta –
Mas ainda assim,
Tenho que começar a jornada.
[Cinderela, Padeiro & Esposa do padeiro:]
Para a floresta
O caminho vai direto,
Eu o conheço direito.
Mas quem diria
[Esposa do padeiro:]
Para a floresta para reverter o feitiço
[Cinderela:]
Para a floresta para visitar minha Mãe
[Mãe de Jack:]
Para a floresta vender a vaca!
[Jack:]
Para conseguir dinheiro!
[Cinderela:]
Para ir ao festival!
[Chapeuzinho Vermelho:]
Para a floresta, para a casa da vovó!
[Todos:]
O caminho é claro,
A luz é boa,
Não tenho medo,
Nem ninguém deveria ter
A floresta é só árvores
As árvores são só madeira.
Não há razão para se medo lá –
[Padeiro:]
Tem algo na clareira ali…
 
[Todos:]
Para a floresta,
Sem demora,
Mas cuidado para não
Perder o caminho.
Para a floresta,
Quem sabe o que pode
Estar à espreita na jornada?
Para a floresta
Para pegar o que
Faz compensar
Fazer a jornada.
Para a floresta
[Madrasta & Meias-irmãs:]
Para ver o rei
[Jack & Mãe de Jack:]
Para vender a vaca
[Padeiro & Esposa do padeiro:]
Para fazer a poção
[Todos:]
Para ver
Para vender
Para conseguir
Para trazer
Para fazer
Para reverter
Para ir ao festival!
Para a floresta!
Para a floresta!
Para a floresta,
Depois para fora da floresta!
E para casa antes de escurecer!
 
  • 1. não achei um termo em português para esse vegetal, acredito que seja parecido com os aspargos.
  • 2. planta com flor em forma de sino e de raízes comestíveis.
Postato da robertohomeli Sab, 31/01/2015 - 18:29
Ultima modifica robertohomeli Lun, 23/02/2015 - 22:15
Commenti dell’autore:

Requested by @cm.1.
___
Em português o nome do filme Into de Woods ficou como Caminhos da Floresta
___
Música:

Inglese

Prologue: Into the Woods

Commenti fatti