O Que Será (English translation)

Advertisements
Portuguese

O Que Será

Que andam suspirando pelas alcovas
Que andam sussurando em versos e trovas
Que andam combinando no breu das tocas
Que anda nas cabeças, anda nas bocas
Que andam acendendo velas nos becos
Que estão falando alto pelos botecos
Que gritam nos mercados, que com certeza
Está na natureza, será que será
O que não tem certeza, nem nunca terá
O que não tem conserto, nem nunca terá
O que não tem tamanho
O que será que será
Que vive nas idéias desses amantes
Que cantam os poetas mais delirantes
Que juram os profetas embriagados
Que está na romaria dos mutilados
Que está na fantasia dos infelizes
Que está no dia a dia das meretrizes
No plano dos bandidos, dos desvalidos
Em todos os sentidos, será que será
O que não tem decência, nem nunca terá
O que não tem censura, nem nunca terá
O que não faz sentido
O que será que será
Que todos os avisos não vão evitar
Porque todos os risos vão desafiar
Porque todos os sinos irão repicar
Porque todos os hinos irão consagrar
E todos os meninos vão desembestar
E todos os destinos irão se encontrar
E o mesmo Padre Eterno que nunca foi lá
Olhando aquele inferno, vai abençoar
O que não tem governo, nem nunca terá
O que não tem vergonha nem nunca terá
O que não tem juízo
O que será que me dá
Que me bole por dentro, será que me dá
Que brota à flor da pele, será que me dá
E que me sobe às faces e me faz corar
E que me salta aos olhos a me atraiçoar
E que me aperta o peito e me faz confessar
O que não tem mais jeito de dissimular
E que nem é direito ninguém recusar
E que me faz mendigo, me faz suplicar
O que não tem medida, nem nunca terá
O que não tem remédio, nem nunca terá
O que não tem receita
O que será que será
Que dá dentro da gente e que não devia
Que desacata a gente, que é revelia
Que é feito uma aguardente que não sacia
Que é feito estar doente de uma folia
Que nem dez mandamentos vão conciliar
Nem todos os unguentos vão aliviar
Nem todos os quebrantos, toda alquimia
Que nem todos os santos, será que será
O que não tem descanso, nem nunca terá
O que não tem cansaço, nem nunca terá
O que não tem limite
O que será que me dá
Que me queima por dentro, será que me dá
Que me perturba o sono, será que me dá
Que todos os tremores que vêm agitar
Que todos os ardores me vêm atiçar
Que todos os suores me vêm encharcar
que todos os meus nervos estão a rogar
Que todos os meus órgãos estão a clamar
E uma aflição medonha me faz implorar
O que não tem vergonha, nem nunca terá
O que não tem governo, nem nunca terá
O que não tem juízo
 
Submitted by jadedarknight on Thu, 10/01/2008 - 22:00
Last edited by Ainoa on Thu, 05/10/2017 - 04:15
Align paragraphs
English translation

Whay may it be

that they are longing for in the alcoves
that they are whispering in verses and ballads
that they are dealing in the dark of the burrows
that is in the heads, run on the mouths
that they are lightning candles in the alleys
that they are speaking aloud in the bars
that they scream in the markets, that for sure
is in the nature, may it be
what have not sure, and never will have
what have no repair and will never have
what have no size
what may it be
that lives in the minds of those lovers
that the most delirant poets sing
that the drunk prophets swear
that is in the romarias of the mutilated*romarias it's like a religious cerimony*
that is in the unhappy'spersons fantasy
that is in the prostitute's everyday
in the outlaws, in the helpless
in all the ways, what may it be
what have no honesty, and will never have
what have no judgement and will never have
what makes no sense
what may it be
that all the warnings will not avoid
because all the smiles will challenge
because all the bells will sound
because all the anthems will devote
and all the little boys will run away
and all the faiths will meet
and the same Eternal Father, that has never been there
looking at that hell, will bless
what have no government and will never have
what have no shame and will never have
what have no healty mind
what it is that happens to me
that rottens me inside
that comes from underneath my skin
and ascend my face and makes me blush
and jump into my eyes betraying me
and push my chest and makes me confess
what there is no way of hide anymore
and what is not right for someone to refuse
and what makes me a begger, makes me beg
what have no size, and will never have
what have no heal, and never will have
what have no recipe and never will have
what may it be
that happens inside of us and it shouldn't
that disobey us, that is a default
that is like an aguardente that not satiate us *aguardente is a drink
that is like to be sick in a party
that not even 10 god laws will conciliate
not all the potions will relief
not all the spells, all the alchemy
that not even all the saints, may it be
what have no rest and will never have
what don't get tired and will never be
what have no limit
what it is that happens to me
that burns me inside, may that happen to me
that disturbs my sleep,may it happen to me
that all the shivers come agitate
that all the burnings come stir up
that all the sweats comes wet me
that all my nervous feelings are praying
what all my organs are claiming
and a terrible fear makes me implore
what have no shame and will never have
what have no government and will never have
what have not healthy mind
 
Submitted by jadedarknight on Thu, 10/01/2008 - 22:00
Chico Buarque: Top 3
See also
Comments